Usiminas_Capa

USIMINAS: A 1ª empresa privatizada no Brasil


LUIZ-GUILHERME-DIAS-e1443731843958Por Luiz Guilherme Dias | 22/Mar/2016.

 

“As dificuldades são o aço estrutural que entra na construção do caráter”
Carlos Drummond de Andrade, Poeta e Escritor

Fundada em 1956, a Usiminas (Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais S.A) iniciou suas operações, em Ipatinga (MG), cerca de seis anos depois. Na década de 70 aproveitando o auge do “milagre econômico”, a companhia investiu pesado para atender ao forte ciclo de expansão da indústria brasileira.

Segundo informações da linha do tempo do site da Usiminas, na década de 80 impactada pela recessão econômica do país, a empresa passou a ter prudência, mas sem perder as oportunidades de modernização e aumento da qualidade para o longo prazo.

A década de 90, marcada pela abertura da economia brasileira, permitiu que a Usiminas se tornasse a 1ª empresa a ser privatizada no País. O leilão de privatização da Usiminas marcou o início do PND (Programa Nacional de Desestatização). A companhia foi escolhida entre várias empresas para abrir o ciclo de negociações por ser considerada um atrativo para o setor privado.

Nos anos 2000 com a economia brasileira em franca expansão, a Usiminas se aproximou de setores de alto valor agregado, o que possibilitou a empresa a partir de 2010 atingir um novo patamar tecnológico, atuando de forma integrada e fazendo investimentos futuros.

Obs.: O comentário grátis sobre o desempenho de uma companhia aberta do seu interesse limita-se ao universo das empresas listadas na BM&FBovespa.

Obs.: O comentário grátis sobre o desempenho de uma companhia aberta do seu interesse limita-se ao universo das empresas listadas na BM&FBovespa.

Atualmente a Usiminas é líder na produção e comercialização de aços planos laminados a frio e a quente, bobinas, placas e revestidos, destinados principalmente aos setores de bens de capital e de bens de consumo da linha branca, além da indústria automotiva. O Sistema Usiminas destaca-se como o maior complexo siderúrgico de aços planos da América Latina e um dos 20 maiores do mundo. Fazem parte deste Sistema as seguintes empresas:

  • Usiminas –É a líder do Sistema, formado por empresas que atuam em siderurgia e em negócios onde o aço tem importância estratégica. Possui duas usinas, em Ipatinga (MG) e Cubatão (SP). Tem foco em laminados planos com alto conteúdo tecnológico;
  • Unigal Usiminas –Joint venture com a Nippon Steel & Sumitomo Metal Corporation, sua principal atividade é a galvanização de aço por imersão a quente, agregando ainda mais possibilidades ao aço Usiminas;
  • Mineração Usiminas – Localizada na região de Serra Azul, no Quadrilátero Ferrífero de Minas Gerais, produz e comercializa minério de ferro;
  • Soluções Usiminas –Uma das maiores no segmento de distribuição e de transformação de aços, esta empresa conta com um amplo portfólio de produtos customizados;
  • Usiminas Mecânica – Oferece produtos de alto valor agregado para a indústria de bens de capital, bem como tecnologia, alta qualidade no gerenciamento de projetos e na prestação de serviços.

A seguir os grandes números da Usiminas com base nas últimas informações atualizadas pela companhia:

Usiminas_01

Veja agora o que o nosso Banco de Dados SABE tem a mostrar sobre a Usiminas: evolução das Receitas Líquidas comparadas com as Dívidas Líquidas desde 1996, “Radar” de informações e indicadores financeiros de 2011 a 2015 e desempenho em bolsa das ações USIM3 (USIMINAS ON) nos últimos 4 anos.

Evolução da Receita Líquida X Endividamento Líquido (R$MM) – 1996 a 2015 – UsiminasFonte: SABE ©

Evolução da Receita Líquida X Endividamento Líquido (R$MM) – 1996 a 2015 – Usiminas
Fonte: SABE ©

A Usiminas teve dívidas líquidas superiores às suas receitas até o ano de 2003. De 2004 a 2014 esse quadro se inverteu, mas em 2015 voltou a ocorrer: dívida próxima a R$12 bilhões e receita pouco acima de R$10 bilhões. Veja a seguir o desempenho da companhia de 2011 até 2015.

Radar de Informações e Indicadores Financeiros da Usiminas – 2011 a 2015Fonte: SABE ©

Radar de Informações e Indicadores Financeiros da Usiminas – 2011 a 2015
Fonte: SABE ©

De 2011 a 2015 a Usiminas vem apresentando um quadro negativo com perdas de ativos, patrimônio líquido, receitas e resultados agravados em 2015 com o prejuízo de R$3,7 bilhões. Como consequência das perdas em suas contas patrimoniais e de resultado, a empresa sofreu em 2015 com forte deterioração em seus indicadores de margens e rentabilidades. Houve também redução na liquidez de curto prazo. A relação dívida total sobre o PL alcançou o maior nível (85%) em 2015. Veja a seguir como foi o desempenho das USIM3 (ON, com direito a voto).

Evolução Trimestral da Ação USIM3 (USIMINAS ON)Fonte: APLIGRAF – Elaboração: SABE ©

Evolução Trimestral da Ação USIM3 (USIMINAS ON)
*Preço de fechamento/dia
Fonte: APLIGRAF – Elaboração: SABE ©

As ações da Usiminas são listadas na BM&FBOVESPA, com os códigos USIM3, USIM5 e USIM6; Nova Iorque (OTC), como ADR nível 1, com o código USNZY; e Madri (Latibex) com os códigos XUSI e XUSIO.

Na Bovespa a ação USIM3 sofreu uma violenta desvalorização de 84% de 30/Mar/2011 a 17/Mar/2016. A cotação do papel saiu de R$27,83 e despencou até chegar a R$4,40 no final do período (a cotação máxima foi a do início do período). No mesmo intervalo de tempo o Ibovespa teve uma queda de 26%.

O capital social da Empresa é dividido em 1.013.786.190 ações, sendo aproximadamente 50% em ações ordinárias (votantes) e 50% em ações preferenciais. Atualmente, o capital votante está assim constituído:

Usiminas_05

Em resumo, a indústria siderúrgica oferece soluções para diversos setores da economia: automotivo, indústria naval, eletrodomésticos, petróleo, agronegócio, máquinas e equipamentos dentre outros.  Não à toa a Usiminas é um dos principais complexos siderúrgicos das Américas.

 

COMENTÁRIOS FINAIS:

Segundo notícia recente do jornal Folha de São Paulo, a Usiminas estaria renegociando dívidas de curto prazo de R$ 4 bilhões com credores e a venda de subsidiárias para evitar um pedido de recuperação judicial. A companhia também avalia um aporte de capital de R$ 4 bilhões, situação difícil de ocorrer em meio à briga dos controladores japoneses (Grupo Nippon) e argentinos (Ternium). Em comunicado enviado ao mercado, a Usiminas confirmou a contratação de assessor financeiro para a venda da Usiminas Mecânica, sem, no entanto, possuir alguma definição acerca da efetiva realização da operação.

No dia 15/Mar/2016 o Conselho de Administração da companhia aprovou proposta de aumento de capital no valor de R$1 bilhão mediante a emissão de 200 milhões de novas ações ordinárias, ao preço de emissão de R$5/ação, considerado essencial para evitar que a Usiminas seja forçada a pedir recuperação judicial diante de sua frágil situação financeira. Foram discutidas duas propostas de aumento de capital pelos acionistas que dividem o controle da siderúrgica.

De acordo com o Itaú BBA, o aumento de capital não resolve o principal problema da Usiminas, pelo fato de sua dívida ser incompatível com a perspectiva de geração de caixa: “Acreditamos que as perspectivas para o setor de aço continuarão desafiadoras nos próximos trimestres, com preços pressionados (dadas as baixas taxas de utilização) e fraca demanda doméstica no Brasil. Aconselhamos aos investidores que fiquem longe das ações, dado que qualquer solução para os problemas de curto prazo da empresa será de diluição aos acionistas minoritários da Usiminas, sem mencionar o momento operacional claramente desafiador que as siderúrgicas enfrentam no Brasil”. (Fonte: Infomoney).

No dia 18/Mar/2016 a Agência ADVFN noticiou uma excelente notícia sobre a companhia: acordo de “standstill” (paralisação da dívida) com os seus principais credores financeiros, determinando a suspensão dos pagamentos de financiamentos pelo prazo de 120 dias. Os credores se comprometeram a não declarar o vencimento antecipado das obrigações financeiras da Usiminas. No entanto, a companhia alerta que o acordo deixará de vigorar antes do término do prazo caso não seja aprovado um aumento de capital no valor mínimo de R$ 1 bilhão. A Usiminas afirma que continuará negociando com os bancos um projeto de reestruturação financeira de forma a adequar seu perfil de endividamento, com o objetivo de preservar a capacidade financeira e operacional da companhia.

Ao que tudo indica, o governo pretende aumentar o crédito disponível para as empresas do setor de siderurgia. Como sempre acontece depois que o “circo pega fogo” o governo faz o papel de bombeiro.

A SABE Consultores tem o propósito de compartilhar informações úteis e atualizadas sobre as empresas brasileiras com professores, universitários, contadores e investidores individuais. Manteremos você atualizado, como de costume, com novas informações extraídas do nosso Banco de Dados SABE.

Obs.: O comentário grátis sobre o desempenho de uma companhia aberta do seu interesse limita-se ao universo das empresas listadas na BM&FBovespa.

Obs.: O comentário grátis sobre o desempenho de uma companhia aberta do seu interesse limita-se ao universo das empresas listadas na BM&FBovespa.

Aproveite para deixar o seu comentário ao final desta página sobre o desempenho da Usiminas dentro do atual cenário de recessão econômica que está impactando todos os setores da economia, em particular o Siderúrgico também agravado pelo excesso de oferta de aço no mundo.

Luiz Guilherme Dias é Sócio-Diretor da SABE Consultores, Consultor de Empresas e Conselheiro Certificado.

E-mail: lg.dias@sabe.com.br

Deixe seu comentário abaixo...

Leave A Response