Temp_1S2016_Capa

Temporada de Balanços 1S2016: Retorno baixo e endividamento elevado


LUIZ-GUILHERME-DIAS-e1443731843958Por Luiz Guilherme Dias | Rio, 30/Ago/2016.

 

Este artigo apresenta um Estudo sobre Desempenho de Companhias Abertas listadas na BM&FBovespa com base nos Balanços do 1º Semestre de 2016. Este trabalho foi a pauta da coluna da Míriam Leitão publicada no Jornal O Globo de 24/Ago/2016 cujo título foi “No Meio das dívidas“. O artigo também rendeu nota na coluna do Ancelmo Gois no mesmo dia com o título “Empresas aproveitam a Rio-2016 para crescer até 116%“.

O trabalho engloba 339 Companhias, sendo 316 Empresas (Não-Financeiras) e 23 Bancos. A seguir apresentamos os desempenhos das empresas e dos bancos com indicadores resultantes da comparação dos números do 1º semestre de 2016 contra igual período de 2015:

Temp_1S2016_01

Temp_1S2016_02

O destaque vai para o endividamento das empresas que teve um crescimento com taxa composta de 3,77% ao ano e linear de 126% ao longo do período de 22 trimestres. Há uma tendência de queda a partir do 4T2015, única e exclusivamente devido a queda acentuada do US$, como mostrado pelo gráfico a seguir:

Evolução do Endividamento Total das Empresas Não Financeiras em R$ bilhõesFonte: SABE

Evolução do Endividamento Total das Empresas Não Financeiras em R$ bilhões
Fonte: SABE ©

 

COMENTÁRIOS FINAIS

O desempenho das Empresas no 1º semestre de 2016 continuou bastante fraco, mesmo com a ajuda da violenta queda do dólar americano que distorceu a maioria dos indicadores: queda real de vendas, redução de margens bruta, operacional e líquida, relação dívida/geração de caixa perigosamente alta, retorno ao acionista muito fraco. Pelo lado dos Bancos, a maioria dos indicadores também foi de fraco desempenho, porém ainda muito superior aos das Empresas.

Quando o cenário econômico é ruim para os bancos percebemos um sintoma ruim para o conjunto das companhias: as empresas precisam renegociar suas dívidas num momento de juros elevados e créditos escassos, ao mesmo tempo em que os bancos reduzem seus empréstimos e passam a se concentrar em controle de inadimplência e renegociação de contratos.

A SABE Consultores tem o propósito de “organizar informações financeiras sobre as empresas brasileiras e torná-las acessíveis e úteis” e acredita que as empresas vencedoras e que vieram para ficar são as que criam valor para TODOS os seus “stakeholders”. Manteremos você atualizado com novas informações extraídas do nosso Banco de Dados SABE.

Botão_FiquePorDentro2

Aproveite para deixar o seu comentário ao final desta página sobre este Artigo.

Luiz Guilherme Dias é Sócio-Diretor da SABE Consultores, Consultor de Empresas e Conselheiro Certificado.

E-mail: lg.dias@sabe.com.br

Deixe seu comentário abaixo...

Leave A Response