Setor_Telecom_Capa

Setor de Telecomunicações: Queda violenta nos resultados


LUIZ-GUILHERME-DIAS-e1443731843958Por Luiz Guilherme Dias | Rio, 04/Out/2016.

 

“O mais importante na comunicação é escutar aquilo que não foi dito”
Peter DruckerProfessor, escritor e consultor

Segundo notícias divulgadas em 20/Ago/2016 na mídia especializada, os brasileiros estão cortando os gastos com celular pré-pago fazendo com o Setor que responde por 70% da telefonia móvel perder 35 milhões de linhas.

O índice de emprego tem relação direta com o chip. Se cai, o número de linhas também se reduz. Todas as operadoras estão sofrendo com a falta de dinheiro no bolso do cliente. Após ver números em queda no 1º semestre de 2016, as empresas passam a fazer ofertas customizadas. Por exemplo, se uma pessoa costuma falar muito, e o consumo começa a cair, a operadora faz uma promoção de voz e o mesmo vale para os dados.

Botão_FiquePorDentro2

O mercado acionário brasileiro possui 5 companhias abertas do setor de Telecomunicações: Contax, La Fonte Tel , Oi , Telef Brasil  e Tim Part S/A. No 1º semestre de 2016 essas empresas totalizaram R$43 bilhões em receitas. A líder do setor em bolsa em receitas é a Telef Brasil (R$21 bilhões), seguida da Oi (R$13 bilhões), representando 48,8% e 30,9% do market-share, respectivamente. Juntas essas 2 companhias representam praticamente 80% do setor. Os gráficos a seguir ilustram os números mencionados.

Mkt-share e Receitas Líquidas das Companhias do Setor de TelecomunicaçõesFonte: SABE ©

Mkt-share e Receitas Líquidas das Companhias do Setor de Telecomunicações
Fonte: SABE ©

Por outro lado, sob a ótica dos resultados a Telef Brasil liderou com lucro de R$1,9 bilhões, seguida de longe da Tim com R$202 milhões. As 3 demais empresas apresentaram prejuízos,  tendo a Oi (atualmente em recuperação judicial) o maior deles de R$2,3 bilhões, levando o setor de bolsa a amargar uma queda violenta de mais de 112% na comparação dos dois últimos semestres.

Na comparação do 1S2015 contra 1S2016, as 3 maiores variações de receitas, EBITDA e resultados e as 3 menores variações de dívidas das empresas do setor em bolsa são mostradas nas planilhas a seguir:

Destaques de maiores variações do Setor de Telecomunicações – 1S2015 x 1S2016Fonte: SABE ©

Destaques de maiores variações do Setor de Telecomunicações – 1S2015 x 1S2016
Fonte: SABE ©

Ainda na comparação do 1S2015 contra 1S2016, as 5 empresas no conjunto tiveram receitas idênticas (queda real, considerando a inflação), queda próxima a 5% na geração de caixa medida pelo EBITDA e redução violenta (112%) nos resultados líquidos, aumento pequeno (menos de 3%) do endividamento líquido, atingindo no 1º semestre de 2016 uma relação de 8:1 entre a dívida líquida e o EBITDA. Além disso, essas empresas tiveram uma deterioração com queda de 3,13 pontos percentuais na taxa de retorno para o acionista (ROE), chegando a um percentual de 0,37% no 1S2016. A tabela seguinte ilustra os números do setor na comparação dos totais dos últimos dois semestres das 5 empresas.

Indicadores do Setor de Telecomunicações – 1S2015 x 1S2016Fonte: SABE ©

Indicadores do Setor de Telecomunicações – 1S2015 x 1S2016
Fonte: SABE ©

 

Comentários Finais

A crise econômica fez os brasileiros cortarem os gastos com celular. Cerca de 70% dos usuários de telefonia móvel no país reduziram o valor de suas recargas ou devolveram o chip pré-pago. Como resultado, quase 35 milhões de linhas pré-pagas foram canceladas entre Jan/2015 e Jun/2016. E ainda deve haver mais baixas, tanto pela recessão como pelo aumento no uso de aplicativos que permitem ligações, como o WhatsApp. Até Dez/2016, a expectativa da consultoria Teleco é que outros 20 milhões de números deixem de funcionar em um segmento no qual é possível falar e navegar na internet a partir de R$ 0,30 por dia. No total, uma redução quase igual à base de clientes da Colômbia, de 57,4 milhões.

Segundo dados da ANATEL (Agência Nacional de Telecomunicações), o número de celulares pré-pagos caiu de 213 milhões em Jan/2015 para 179 milhões em Jun/2016. Esse volume responde por cerca de 70% de todos os usuários de telefonia móvel no país. Além do encolhimento do setor, analistas e operadoras citam o recuo de até 11,5% no valor das recargas este ano, em comparação a 2015. Hoje, em média, o valor mensal de uma recarga oscila entre R$ 15 e R$ 20, dependendo da companhia. Mas, para tentar minimizar a queda do principal gerador de receita do setor, as empresas vêm investindo cada vez mais em promoções diárias e semanais e pacotes maiores de internet e voz. Os pacotes mais vendidos atualmente são os semanais, a partir de R$ 7, segundo informações do mercado. (Fonte: Infomoney).

A SABE Consultores tem o propósito de “organizar informações financeiras sobre as empresas brasileiras e torná-las acessíveis e úteis” e acredita que as empresas vencedoras e que vieram para ficar são as que criam valor para TODOS os seus stakeholders. Manteremos você atualizado com novas informações extraídas do nosso Banco de Dados SABE.

Botão_FiquePorDentro2

Aproveite para deixar o seu comentário ao final desta página sobre este Artigo.

Luiz Guilherme Dias é Sócio-Diretor da SABE Consultores, Consultor de Empresas e Conselheiro Certificado.

E-mail: lg.dias@sabe.com.br

Deixe seu comentário abaixo...

Leave A Response