MMX_Capa

MMX: Mesmo com passivo a descoberto notícias fazem a ação disparar 50% em um dia!


LUIZ-GUILHERME-DIAS-e1443731843958Por Luiz Guilherme Dias | Rio, 10/Nov/2016.

 

“O Senhor Carlos Slim terá que inventar um novo carro de corrida para me alcançar”

Eike Batista – Fundador do Grupo EBX

Criada em 2005, a MMX é a empresa de mineração do Grupo EBX. Com minas localizadas nos estados de MG e MS a companhia possui capacidade instalada para produzir anualmente aproximadamente 7 milhões de toneladas de minério de ferro em seus dois sistemas: Sistema Sudeste e o Sistema Corumbá.

O Sistema Sudeste é formado pelas Unidades Serra Azul e Bom Sucesso. Na Região de Serra Azul – Quadrilátero Ferrífero de Minas Gerais – a MMX opera as minas Tico-Tico e Ipê, adquiridas, respectivamente, no final de 2007 e início de 2008.

A Unidade Serra Azul tem capacidade instalada para produzir anualmente aproximadamente 6 milhões de toneladas de minério de ferro. Em Fev/2011, a MMX adquiriu o direito de explorar por 30 anos a Mina Pau de Vinho que pertence à Mineração Usiminas. A mina está localizada em área contígua à Unidade Serra Azul, o que otimiza sua operação.

O minério de ferro produzido na Unidade Serra Azul é vendido para clientes no Brasil e no exterior. Atualmente, o escoamento da produção destinada ao mercado externo é feito por transporte ferroviário até o porto da CSN (Companhia Siderúrgica Nacional), localizado em Itaguaí (RJ). A partir da entrada em operação do Porto Sudeste do Brasil, a MMX terá um novo canal que possibilitará a exportação de minério de ferro.

Botão_FiquePorDentro2

A MMX também possui o Sistema Corumbá, no estado MS, em operação desde 2005, cuja capacidade instalada de produção anual é de 1,5 milhões de toneladas. (Fonte: Empresa).

Veja agora o que o nosso Banco de Dados SABE tem a mostrar sobre a MMX: “Radar de Desempenho Econômico-Financeiro de 2011 a 2015, agora inovando com informações sobre Distribuição do Valor Adicionado (DVA),  a comparação 1S2015 X 1S2016” e o desempenho em bolsa das ações MMXM3 (MMX MINER ON).

Radar de Desempenho da MMX MINER - R$Milhões (Consolidado)Fonte: SABE © powered by MAESTRO

Radar de Desempenho da MMX MINER – R$Milhões (Consolidado)
Fonte: SABE © powered by MAESTRO

De 2011 a 2014 a MMX teve um péssimo desempenho com deterioração das contas patrimoniais e de resultados. Em 2015 a companhia sinalizou uma recuperação obtendo lucro de R$96 milhões, mas mantendo um patrimônio líquido negativo de R$734 milhões.  Por outro lado a empresa teve em 2015 uma redução da sua dívida líquida em relação a 2014 configurando uma relação com o EBITDA de 5,5 vezes. Observando a distribuição de valor a companhia distribuiu um valor adicionado de R$276 milhões em 2015 para seus stakeholders; este indicador apresentou uma taxa composta negativa de crescimento no período de quase 5% ao ano de 2011 a 2015.

Na comparação do 1S2015 versus 1S2016, a companhia manteve um desempenho muito ruim, mas com leve recuperação: patrimônio líquido menos negativo, redução da dívida líquida, melhora na geração de caixa medida pelo EBITDA e no resultado líquido (porém, ambos negativos ainda) com prejuízo de R$1 milhão no 1S2016. Além disso, a distribuição de valor também melhorou, mas entregando “modestos” R$17 milhões para seus stakeholders no 1S2016. Veja a seguir como foi o desempenho das ações MMXM3 (MMX MINER ON).

MMX_02a

Evolução Trimestral (21 períodos) e Diária (05/Out a 04/Nov/2016) da Ação MMXM3 (MMX MINER ON).Fonte: APLIGRAF – Elaboração: SABE ©

Evolução Trimestral (21 períodos) e Diária (05/Out a 04/Nov/2016) da Ação MMXM3 (MMX MINER ON).
Fonte: APLIGRAF – Elaboração: SABE ©

No curto prazo, de 05/Out a 04/Nov/2016 a ação MMX3 teve uma tremenda valorização de 134% caracterizando forte especulação por conta de anúncio da venda de duas minas. Entretanto, de 29/Dez/2011 a 04/Nov/2016 a ação MMXM3 teve uma brusca desvalorização de 99%: nesse prazo mais longo a cotação ajustada de fechamento do papel saiu de R$997,78 e atingiu R$7,50 no final do período (a cotação máxima foi de R$1.358,29 em 30/Mar/2012 e a mínima de R$3,30 em 30/Set/2016). No mesmo intervalo de tempo o Ibovespa subiu 8,54%.

 

COMENTÁRIOS FINAIS

Conforme noticiado pela mídia especializada, no fim de Out/2016, a empresa anunciou que a MMX Sudeste deu um passo importante para avançar em seu plano de recuperação judicial. A empresa oficializou a venda de duas minas de minério de ferro. O valor total estimado é de R$207 milhões, dos quais R$70 milhões deverão ser pagos à vista.  Por conta dessa notícia as ações da MMX dispararam na bolsa acumulando ganhos de 362% em 7 pregões, de 26/Out a 04/Nov/2016. Chamou atenção também o volume financeiro de R$15,8 milhões movimentado em 03/Nov/2016 com o papel MMXM3, contra média diária de R$1,5 milhão nos 21 pregões anteriores.

A companhia de mineração informou em comunicado que concluiu a venda de UPI Mina para o Mubadala, Trafigura por R$70 milhões. A UPI Mina é composta pelas minas de Ipê e Tico-Tico e respectivas unidades de processamento e barragens, além dos demais ativos, contratos e licenças a elas relacionadas. A venda foi por meio de “processo competitivo”, disse a empresa. O preço de compra, conforme previsto no Plano de Recuperação Judicial, foi de R$70 milhões. “A alienação da UPI Mina é a concretização do marco mais importante do Plano de Recuperação Judicial da MMX Sudeste”, informa a companhia em comunicado.

Vale destacar que no dia 04/Nov/2016 a Óleo e Gás Participações (ex-OGX), viu suas ações OGXP3 dispararem 22,65%. A companhia apresentou uma proposta aos credores OSX-3 Senior Secured Callable Bond 2012/2015 emitidos pela OSX 3 Leasing BV e aos credores do Incremental Facility. Segundo o comunicado enviado à CVM (Comissão de Valores Mobiliários), a OGPar e OGX Petróleo e Gás (OGSA3) – ambas em recuperação judicial – anunciaram proposta de conversão de toda e qualquer garantia relacionada ao Incremental Facility e todos os passivos de afretamento não pago (inclusive de afretamento em períodos futuros até a devolução de FPSO OSX-3 para o OSX-3) em ações da OGX. (Fonte: Infomoney).

Nos últimos tempos temos observado fortes oscilações diárias de preços de papéis influenciadas por especuladores buscando ganhos fáceis no curto prazo. Em 3 pregões consecutivos a ação MMXM3 saltou de R$10,00 para R$15,00 (+50%) e caiu de R$15,00 para R$7,50 (-50%), caracterizando uma tremenda volatilidade. A valorização de 134% em um mês do papel é fruto de forte especulação e não reflete o mau desempenho econômico da empresa no momento, mas sim a expectativa de venda de ativos. Entretanto, vale o ALERTA que fazemos diariamente para ações de empresas com passivos a descoberto (tecnicamente falidas) que chegam a valorizar mais de 50% em um único dia.

A SABE Consultores tem o propósito de “organizar informações financeiras sobre as empresas brasileiras e torná-las acessíveis e úteis” e acredita que as empresas vencedoras e que vieram para ficar são as que perseguem a criação de valor para TODOS os seus stakeholders. Manteremos você atualizado com novas informações extraídas do nosso Banco de Dados SABE.

Botão_FiquePorDentro2

Aproveite para deixar o seu comentário ao final desta página sobre este Artigo.

Luiz Guilherme Dias é Sócio-Diretor da SABE Consultores, Consultor de Empresas e Conselheiro Certificado.

E-mail: lg.dias@sabe.com.br

Deixe seu comentário abaixo...

Leave A Response