BRF versus JBS: briga de cachorro grande!

BRF versus JBS: briga de cachorro grande!


Por Luiz Guilherme Dias

Em um nosso artigo recentemente publicado com o título “BRF – portfólio de mais de 5.000 produtos”, fizemos um breve histórico da companhia, mostramos o seu desempenho atual com indicadores dos 9M2015 e o histórico da evolução da cotação de suas ações em bolsa.

Em outro artigo anterior chamado “Setor de Alimentos: Desempenho 2011 – 2015” chamamos a atenção de nossos leitores dizendo que o Setor de Alimentos teve de 2011 a Jun/2015 um crescimento de receitas acima da inflação, em linha com a maioria das empresas brasileiras. Entretanto, as companhias do setor não conseguiram repassar seus aumentos de custos jogando para baixo sua margem bruta e seus resultados. O resultado do setor como um todo foi insignificante e bastante influenciado pelo imenso crescimento de JBS e também por BRF. JBS cresceu agressivamente com ajuda de financiamentos do Governo (BNDES) e por aquisições no mercado externo, gerando um elevadíssimo endividamento que saltou de R$26bilhões em 2011 para R$65bilhões! em 2015. Diferentemente BRF também cresceu, mas de forma equilibrada, com aumento controlado da sua dívida.

Neste artigo vamos mostrar as informações/indicadores financeiros atualizados até 30/Set/2015 das duas maiores companhias do Setor de Alimentos: BRF e JBS, começando pelos grandes números:

Grandes Números da BRF e JBS – 9M2015. Fonte: SABE © e BM&FBovespa

Grandes Números da BRF e JBS – 9M2015.
Fonte: SABE © e BM&FBovespa

Veja agora o que o nosso Banco de Dados SABE tem a mostrar sobre a comparação dos indicadores financeiros referentes aos 9M2015 da BRF versus JBS, e veja também como foi a evolução do desempenho na Bovespa das suas ações BRFS3 (BRF ON) e JBSS3 (JBS ON).

Informações e Indicadores Financeiros da BRF e JBS – 9M2015. Fonte: SABE ©

Informações e Indicadores Financeiros da BRF e JBS – 9M2015.
Fonte: SABE ©

Comparando o desempenho de BRF versus JBS nos 9 meses de 2015 com igual período de 2014, percebemos as diferenças de porte das duas companhias em termos patrimoniais e financeiros em quase todos os indicadores, à exceção das margens bruta e líquida e da liquidez corrente e geral nos quais a BRF supera a JBS.

Evolução Trimestral das Ações BRF ON e JBS ON – 31/12/2010 a 06/11/2015. Fonte: APLIGRAF ©

Evolução Trimestral das Ações BRF ON e JBS ON – 31/12/2010 a 06/11/2015.
Fonte: APLIGRAF ©

O gráfico da evolução trimestral das cotações das ações ações BRFS3 (BRF ON) e JBSS3 (JBS ON) ilustra o desempenho em bolsa das duas companhias em mais de 4 anos, como segue:

  • BRFS3 (BRF ON): excelente valorização de 120% no preço do papel, que saiu de R$25,40 no 4º Trim/2010 alcançando R$55,81 em 06/Nov/2015 (cotação máxima no período foi de R$70,59);
  • JBSS3 (JBS ON): outra excelente valorização de 103% no preço do papel, que saiu de R$6,95 no 4º Trim/2010 atingindo a R$14,08 em 06/Nov/2015 (cotação máxima no período foi de R$16,36);
  • No mesmo período o Ibovespa teve uma queda de 32%, de 69.304 pontos para 46.918 pontos.

 

COMENTÁRIOS FINAIS:

Como diz o título do artigo é mesmo “briga de cachorro grande”! De um lado JBS com um potencial gigantesco de crescimento tanto a nível Brasil quanto Mundo, mas tendo que tomar cuidado com sua excessiva agressividade até aqui bem aproveitada. De outro lado a BRF (Sadia e Perdigão) com crescimento equilibrado, mas que pode daqui para frente ser incomodada pela JBS no segmento de aves e suínos.

Em outras palavras, a JBS tem maior potencial de disputa entrando no segmento de aves e suínos do que a BRF entrando no segmento de bovinos. A BRF nunca teve um concorrente à sua altura e deve se preparar, pois a JBS é muito forte!

Deixe o seu comentário sobre como você avalia a disputa BRF versus JBS ou solicite uma pesquisa do seu interesse. Pode ser sobre companhias, setores ou mesmo temas ligados ao mercado de capitais. Até a próxima!

Luiz Guilherme Dias é Sócio-Diretor da SABE Consultores, Consultor de Empresas e Conselheiro Certificado

Deixe seu comentário abaixo...

Leave A Response